Encontrar alguém

Desabafos

2015.07.17 00:35 chokkolate Desabafos

Quer desabafar e não tem com quem fazer isso? Quer apenas ser ouvido sem ser julgado? Quer apenas despejar tudo e ficar com o coração mais leve? Ou quer simplesmente pedir conselhos para algo que o aflija? Está no lugar certo.
[link]


2019.08.11 23:46 sidashi rinhadegado

Lugar definitivo para embates de esquerda versus direita, ou simplesmente para encontrar alguém para discordar de você. É aqui onde /brasildob, /brasil e /brasilivre se reunem para desferir suas insanidades argumentativas.
[link]


2018.02.04 14:35 winterwulf RPG Brasil: O Lar dos Nerds Brasileiros no Multiverso Reddit!

Traga sua espada, prepare seu grimório e junte-se à discussão! Este é o espaço brasileiro dedicado à discussão de Role-Playing Games (RPGs) nacionais e internacionais e assuntos pertinentes.
[link]


2020.09.22 22:42 ryanbimo Quero fazer um aro de cesta de basquete

Por aqui onde moro São poucas as quadras públicas que possuem aros, ja fui em 3 bairros diferentes e só encontrei 1 e ainda só possuía 1 aro, e pra ir pra essa quadra eu preciso pegaro trem, e não da pra andar de transporte publico lotado na pandemia.
Tem uma quadra do outro lado da rua, mas ela só possui a tabela, então tive a ideia de fzr o aro. Só q vai precisar ser um aro q eu possa remover quando terminar de jogar, pois os jogadores de futebol ODEIAM dividir a quadra, e certamente iriam arrancar em 2 dias.
Alguém pode me dar uma dica de material pro aro (q não seja difícil de encontrar, ou q seja caro)? Ou de alguma forma de prender ele na tabela?
Ps: sou novao e não tenho uns bagui pesado tipo pra soldar os bagui.
submitted by ryanbimo to Gambiarra [link] [comments]


2020.09.22 20:17 Say_mary Um longo desabafo ( leia se tiver paciência)

Eu n tenho nmg pra conversar, alguém pra por pra fora então to aqui, n vou ser hipócrita e dizer q to aqui só pra por pra fora, eu quero achar um comentário que ....
Enfim, eu tive uma infância muito traumatizante graças aos meus pais q eram usuários de drogas, isso era algo tão, tão ruim vey. quem vem duas pessoas usando uma pedra de crack no meio da rua pensa que é só aquilo mas é como viver o interno na terra, tudo que acontece pra chegar ate aquele momento, oq acontece dps... Por causa disso eu cresci meio atoa na rua, tinha dias que eu n comia, que eu dormia no relento, que brigava com estranho, que via um estranho por uma arma na cabeça da minha mae, ver ela fazer coisas nojentas, cuspindo a casa, em pânico, bagunçado. Era assim todo santo dia, tinha tanta gente que tirava aproveito deles, e minha avo tentava ajudar ela de todas as formas q ela podia mas ela n queria ser ajudada, ela simplesmente tacou o fodasy pra minha avo e seguiu a vida fazendo essas coisas erradas. Por um tempo ela viveu numa pensão com a amiga dela bate que tbm vendia drogas, essa bete pegou uma sacola de drogas de um traficante achando que ia ficar tudo de boa ate que estávamos no banco e um cara entrou e bateu a mão com tanta força na vagina dela, ele arrancou algo ali que n sei dizer oq era, só sei que foi algo horrível de se ve. Ela morreu. DPS disso ela voltou a morar com meu pai no bairro dele ele era muito cruel, tratava ela que nem lixo, batia muito, muito nela e maltratava dms. ate qe ela começou a se tornar uma usuária mais centrada, ela alugou uma boa casa, me colocou dentro, Mobilio toda com dinheiro de roubo ela ia na rua com meu pai o mesmo segurava a sacola e ela ia nos super mercados comprar fraldas descartáveis, em media ela saia com quatro, cinco pacotes que ela vendia facilmente aos clientes dela por 30 reais, tbm havia o leite ninho de 15 reais, desodorante, essas coisas, era realmente bastante dinheiro. Ela chegava a movimentar uns 4mil por mês se n gastasse em bebidas, comida, e mantas se o vício dela, desde pequena eu sempre tive coisas boas, pq ela pegava para mim, por isso tinha tanta ctz que iria pra Coréia, que iria realizar todos os meus sonhos pq o dinheiro era fácil, eu vestia roupas de 300 reais, sapato caros dinheiro no bolso e tudo q eu quisesse poderia demorar mas se tivesse na medida iria chegar.. Era uma coisa louca, um entra e sai da porra dentro de casa. Graças a isso eu n sei bem mas afetou minha habilidade de me comunicar, eu entrei pra escola tarde e eu era uma pré adolescente meio esnobe, n falava com nmg e só andava pelos cantos, as pessoa achavam que eu tinha problemas mentais, eu n tinha amigos na escola, n tinha amigos perto de casa, n cvs com meus pais só ficava no quarto, isso me deixava triste dms, é muito ruim n ter nmg, n poder sair nem nada do tipo. Eu só queria um amigo, n importava como era, acho que ate hj n realizei isso de ter um amigo de verdade. Quando descobrir minha sexualidade se tornou pior ainda, eu percebi que gostava de meninos e com isso veio o Bullying eu sofri muito por conta disso, além de ter a miséria rolando em casa havia na escola tbm e tudo isso serviu pra me isolar ainda mais eu fiquei depressiva e comecei a fazer uso de remédios para isquizofrenia para tentar me fazer melhor ate qe percebi que n era gay, na verdade eu nunca me senti gay, eu me descobrir trans e isso me fez sair pra rua, eu sai completamente da minha zona de conforto e me obriguei a amigar com pessoas normies, adolescente que só falam de pegação, de bebidas e festas, isso é tão chato pra mim, que curto anime, shipost e coisas mais cut. Nmg me entendia eu tava lá so por estar, pq eu n queria estar sozinha. Eu comecei a fazer uso de hormônios de uma forma desregulada mas parei. Nisso as coisas em casa tava ficando melhor... Minha mãe tava combatendo o vício aos poucos ate que ela ficou gravida pela 4 vez, dessa vez eu nem tava esperançosa já que ela sempre perdia, mas dessa vez ela foi, e esse bebê fez ela parar por completo quando ela nasceu Andrea resolveu n ir mais roubar eu tava tao felix que Isso iria mudar. Ai eu comecei a tentar me comunicar mais, eu fiz alguns amigos legais, (mais amigos homens) e fui fiquei legalzinha por um tempo mas o vazio imenso persistia dms, fiz terapia, conheci pessoas, namorei, namorei bastante mas nada preenchia isso. Nisso eu já tava transcionando certinho fiz uns amigos classe media mas dps larguei todos eles e minha depressão voltou e eu tentei o suicídio pela primeira vez, peguei uma a Gillete e cortei meus pulsos e sangrei e fui levada por médicos, dps disso fiz uma amiga nova e fiquei apegada com ela, ela n era especial nem nada do tipo. Ai acabamos a amizade e tudo continou na mesma minha mae cuidando do bebê e meu pai caindo e voltando no vício, sem ela ir pra rua eu perdi as coisas boas, a "vida boa", passei a viver como uma pessoa que tem dificuldades, as vezez nem tinha oq comer aqui, meu pai constantemente sumia mesmo estando trabalhando e fazia da deles. Até que eu entrei na depre profunda e tentei a segunda vez tomando remédio de barata, dps disso decidi q n ia tentar mais tirar a minha vida. E apenas coloquei na cabeça q eu ia trabalhar pra ajudar eles,só qe eu n CSG nada! Isso faz minha mãe ( nem chamo de mãe ) esfregar muita coisa na minha cara, isso acaba cmg. Ela fla: ah vc se tornou uma pessoa fria q trata os pais e todo mundo mal, vx teve tudo". Ela n percebe o quanto fudeu minha vida, ela acha que os bens matérias era oq eu queria, vadia estupida. Eu conheci um menino na internet no reddit, ele a gente começou a namorar pela a internet, e em pouco tempo eu comecei a gostar dele, ele era legal, interessante e parecia n se importa se eu era trans, eu me abria com ele e ele comigo, era bom DMS, pela primeira vez em toda minha vida eu sentir, eu amei uma pessoa, amei tao intensamente, sabe aquele tipo de amor qe parece série de TV? Um romance escrito de livro. Ele me falava coisas bnts e me tbm, eu acreditava nisso, eu sentia isso, mesmo de longe ele foi o único q deu sentido a minha vida, n diga "ah, vx precisa ter amor próprio, n precisava viver pensando em alguém, pense em vx". Mas eu queria viver pra ele pq ele dava sentido a isso. Eu ia me encontrar com ele, se desse certo ia me encontrar com mais frequência, n ia ter a dificuldade igual a primeira vez. A vontade de ver esse garoto me fez querer uma pessoa melhor, me fez muito correr atrás de um trabalho, eu queria me estabilizar aqui, e poder ver ele sem ter problemas, a pagar meu passado e tudo. Era minha chance de felicidade até que ele pos um ponto nisso, e eu perdi totalmente o foco de vida. Ia demorar mas eu já imaginava uma vida junto a ele. E com toda certeza absoluta eu nunca mais vou me apaixonar, como posso acreditar quando alguém flar que me ama, quando flar q quer estar comigo sempre, que vai ser eterno. N csg Passar por tudo isso dnv, era foi meu único amor, eu sei disso eu o amava muito, eu n tinha limites para isso.
Agr voltei a estaca zero, vivendo apenas por viver sentindo uma uma imensa dor e vazio. Se eu morrer vai ser melhor assim, tipo pq eu tenho q viver? N tem uma regra fld q isso é o certo, se eu morrer talvez eu alcance a paz. Tem gente que só nasceu pra isso mesmo
submitted by Say_mary to desabafos [link] [comments]


2020.09.22 10:39 The_Portuguese_ZA Portugueses que ainda jogam Destiny 2?

Oi, isto é a primeira vez que estou a publicar algo no Reddit. Não sei se estou no sítio certo ou não, se não estiver peço desculpa.
Mas se estiver num sítio correto, gostava de saber se ainda há pessoas que jogam Destiny 2. Se sim, alguém estaria interessado em fazer umas raids? Eu sei como fazer algumas. Tenho mais 3 Portugueses que as querem fazer, só preciso de mais 2 pessoas. Se tiver muita gente a responder até podemos criar um clã ou algo do género. Se estiverem interessados em se juntar, podem-me adicionar na Steam ThePortugueseZA, com a imagem de um pato.
Eu moro na África do Sul, então encontrar Portugueses que ainda jogam este jogo, não é a coisa mais fácil do mundo. Ficarei à espera de repostas e obrigado por lerem!
submitted by The_Portuguese_ZA to portugal [link] [comments]


2020.09.22 07:40 T4Labom Pergunta imbecil, mas preciso fazer

Minha sanidade foi pro barro já, estou seguindo a quarentena a risca desde março e nada de melhora
Eu não possuo amigos pra conversar porque nunca tive a oportunidade de cultivar amizades quando criança (meus pais me trocavam de escola todo ano e moro eu um lugar isolado de gente da minha idade)
Então eu sempre fiquei a mercê de conhecer gente nova (coisa que eu sei fazer bem). Mas conhecer gente nova na quarentena ta impossível com faculdades fechadas, cursos sendo todos online, não está seguro fazer nada
Porém eu cansei já, será que me arrisco a sair na rua pra tentar encontrar gente que encontro na internet? Tinder, Instagram, sei lá, eu só quero socializar, não aguento mais conversar com meu gato, ele não entende nada de economia pqp
Alguém numa situação parecida? Recomendações?
submitted by T4Labom to brasil [link] [comments]


2020.09.22 04:21 Maedhros_K O brilho acaba rápido

O querido ano de 2020, crises de ansiedade rasgando a pele, depressão aumentando a cada dia. Depois de 8 meses sem literalmente sair de casa, encontro uma garota muito especial no Tinder, em cinco dias de conversa seguidas, parecia que nos conheciamos há anos. Começamos a conversar ate de madrugada, essa sensação eu não sentia desde o EM. No sábado ela me convida pra ir ao ap dela porque está muito triste com o trabalho e queria que eu dormisse com ela naquela noite. Até os momentos antes de chegar ao apartamento ela não parava de me mandar audios, fotos e etc.. Ela tava muito alegre por conhecer alguém numa cidade nova, que não conhecia muita gente, além de termos a mesma idade e com gostos parecidos. Eu então, nem estava ligando pras aulas da faculdade e estágio, só estava/estou pensando nela. Depois de um relacionamento com uma garota extremamente problemática (com problemas psicológicos tão graves quanto os meus, porém sem controle e com a adição de bipolaridade), o que eu mais queria durante uma quarentena infinita era encontrar uma garota legal, gentil, doce.. E encontrei! Bom, porém quando bato na porta do ap, apartir daquele momento, tudo muda, ela já não mantém a mesma felicidade, mantivemos conversas aleatorias e constrangidas, comemos uma pizza que quando tinhamos combinado pelo whats, comeriamos olhando HIMYM, mas foi um olhando pro outro e eu tentando puxar assuntos idiotas, ela pede pra mim ir pra casa ao invés de posar, só me sinto envergonhado e triste (quebrado), ainda pra deixar tudo pior, peço um beijo antes de ir embora (really, um beijo depois de uma noite bizarra daquelas), ela recusa e volto pra casa. Depois de conversar pelo whatsapp, me fala que não queria me usar como analgésico pelo término dela com o ex 1 mês atrás, mas deveriamos continuar conversando, pois sou o cara mais sensível e doce que ela conheceu. Agora se somam a melancolia maldita e dolorida da depressão, a ansiedade me criando alergias pelo corpo todo e a sensação de que tudo está sendo disperdiçado na minha vida, e claro, a rejeição bizarra e aterradora da única garota que me dispertou tantos sentimentos na vida, criando aquele brilho no meio dessa cortina de fumaça.
Minha lição tirada disso tudo, pra vc que leu este resumo enjoado e mal escrito, foi que o brilho das coisas boas na vida dura muito pouco quando você está na merda. Tenho depressão e crises de ansiedade desde meus 15 anos, todos os dias penso em me matar, mas a preguiça e má vontade que isso tudo gera, simplesmente me faz ficar "vivo" e manter um dia após o outro. Um conselho para vc que é depressivo: Se está em uma época muito ruim da sua vida, não vá em busca de um brilho como esse, porque a queda é bizarramente mais dolorida, aproveite pra fazer as coisas que gosta, tente se ocupar com coisas interessantes e que mantenham sua cabeça ocupada (jogos, música, leitura, estudo, esportes, etc) e obviamente procure também a ajuda médica, em muitos casos ela é a única que vai te salvar. Esse é um desabafo sincero daquele depressivo que não curte o enfeite que muita gente faz ao falar e dar sujestão de "ajuda", ainda mais nesse Setembro amarelo. Se tu leu ate aqui, boa sorte com os teus demônios amigo.
submitted by Maedhros_K to desabafos [link] [comments]


2020.09.22 02:29 sandersonac Emprego

Eu saí do trabalho mais cedo e passei em várias farmácias aqui da região pra pedir pra me ensinarem a vender ou treinar no balcão, na minha não me dão oportunidade e escutei, aqui não tá precisando, ou o patrão não deixa. Alguém me ajuda em como encontrar um trabalho e não ficar nessa angústia? Eu odeio o meu de motoboy, já cai 3 vezes e tenho muito medo de cair de novo, só queria treinar algo e mudar de área mas ninguém dá uma oportunidade
submitted by sandersonac to desabafos [link] [comments]


2020.09.22 01:16 ryanbimo Quero fazer um aro de basquete

Por aqui onde moro São poucas as quadras públicas que possuem aros, ja fui em 3 bairros diferentes e só encontrei 1 e ainda só possuía 1 aro, e pra ir pra essa quadra eu preciso pegar o trem, e não da pra andar de transporte publico lotado na pandemia.
Tem uma quadra do outro lado da rua, mas ela só possui a tabela, então tive a ideia de fzr o aro.
Só q vai precisar ser um aro q eu possa remover quando terminar de jogar, pois os jogadores de futebol ODEIAM dividir a quadra, e certamente iriam arrancar em 2 dias.
Alguém pode me dar uma dica de material pro aro (q não seja difícil de encontrar, ou q seja caro)? Ou de alguma forma de prender ele na tabela?
submitted by ryanbimo to PergunteReddit [link] [comments]


2020.09.22 01:11 ebookrevenda Como vender online com poucos recursos?

Como vender online com poucos recursos?
https://preview.redd.it/d7n5uwn22lo51.png?width=791&format=png&auto=webp&s=cfc537c6f591b7e9629fa87bdc4e4d32da2be997
E você acredita que para vender na internet precisa gastar rios de dinheiro está totalmente enganado, existem ferramentas que você investe muito pouco e pode ter excelentes resultados a longo prazos, uma dessas ferramentas que recentemente vem utilizando para fazer esse tipo de marketing é conhecida como PCG (Programa Classificados Grátis) esse programa é um agregador de sites classificados grátis, com ele você pode anunciar de forma automatizada em mais de 340 sites classificados, e uma excelente ferramenta que você pode utilizar para fazer quantos anúncios quiser em centenas de sites.
Algumas das vantagens ao se utilizar o programa são:
  • Geração de tráfego orgânico
  • Visitas vindas diretamente dos sites de classificados
  • Melhor posicionamento do seu produto ou serviço nas buscas do Google
  • Lista de sites e atualizada constantemente

Geração de tráfego orgânico


https://preview.redd.it/4sahmcq32lo51.png?width=300&format=png&auto=webp&s=0dafd71300f33bf7995d648c08a12d87c3ee7a54
Uma das funções do programa com a geração de tráfego orgânico, como você vai fazendo muitos anúncios em vários sites de classificados Geralmente os títulos anunciados passam a aparecer nas buscas do Google e sempre que alguém Pesquisar pelo título semelhante ao que você anunciou essa pessoa vai acabar encontrando o seu anúncio e possivelmente levado até você

Visitas vindas diretamente dos sites de classificados


https://preview.redd.it/e9vkfvx42lo51.png?width=307&format=png&auto=webp&s=f5d9b8002d9c0ed1bdf5bc0863a0a22b599e3e99
Logicamente que quando você fizer um anúncio em determinado site esse site tem o seu fluxo de visitas diárias e certamente as pessoas vão ver o seu anúncio na página inicial do site onde você anunciou e dessa forma você terá visitas diretas e cada site onde você anunciar, essas visitas são geradas logo que você realiza o anuncio no site, e vão variar de acordo com a visitação de cada site.

Melhor posicionamento do seu produto ou serviço nas buscas do Google


https://preview.redd.it/g8dpqbk52lo51.png?width=1078&format=png&auto=webp&s=eef330f5ab533f4c32c3e8150a45f4379bc340b1
O melhor posicionamento de seu produto ou serviço nas buscas do Google logicamente dependem do quanto você anuncia na internet, não me refiro a tráfego pago e sim ao tráfego orgânico, a quantidade de textos que você escreve sobre o seu produto e posta em sites blogs e outros, esses textos acabam gerando links que apontam para o seu produto ou serviço e isso é o que de fato melhora o posicionamento do seu produto ou serviço, No caso do programa PCG você está escrevendo textos e Postando em sites de classificados e isso será indexado pelos buscadores melhorando assim o posicionamento do seu produto ou serviço ou de determinada palavra-chave que você venha a usar em todos os seus anúncios.

Lista de sites e atualizada constantemente


https://preview.redd.it/o6nqnq862lo51.png?width=300&format=png&auto=webp&s=7256c239dd6889a9c16e09fbde58ab22aae3b1a6
Geralmente você pode anunciar em Listas que venha a encontrar na internet porém essas listas contêm a maioria dos Sites não funcionais e dessa forma você perde muito tempo, com buscas que geralmente não Retornam resultados, já utilizando o programa PCG você tirar uma lista com sites que é atualizada constantemente contendo novos sites que venham a surgir assim você não perde tempo com essa busca tem mais de 340 sites e ainda tem a automação proporcionada pelo programa na hora de anunciar.

https://preview.redd.it/fn9po3w62lo51.png?width=1033&format=png&auto=webp&s=6f74b9e81c039ea95d362bcd6837d2f3e4aeda67
Espero ter colaborado com essa resposta, desejo muito sucesso em suas divulgações eu fico muito grato se puder compartilhar com alguém esse texto. abraços e até uma próxima oportunidade.
Arquivada em: Como vender online com poucos recursos?
http://onlinerenda.com.bblog/como-vender-online-com-poucos-recursos-investimento-divulgacao-anunciar-classificados-gratis-vendas-programa-pcg.html
submitted by ebookrevenda to MarketingDigitalBR [link] [comments]


2020.09.22 00:44 ohlenak Já pensaram em largar tudo e ir embora?

Gostaria de saber se isso faz sentido pra outras pessoas também. Fui criada por mãe solteira que me ama muito e se esforçou pra não deixar me faltar nada na vida e bancar meus estudos, me formei no curso dos meus sonhos, logo em seguida passei em um concurso e ocupo essa vaga até hoje. Me casei com quem achava que era o amor da minha vida, e acabei me separando por traição. Depois do divórcio me redescobri, viajei pra fora, tive novas experiências na vida e tento retribuir tudo que minha mãe fez por mim. Sempre tive vontade de morar fora, mas não tive oportunidade. Desde que comecei a viajar pra fora, essa vontade de ir embora aflorou. E tem anos que vivo com esse sentimento de que aqui não é o meu lugar. Uma das coisas que está pesando na minha decisão é não encontrar alguém com quem possa me relacionar por aqui - não por falta de tentativas. Cada dia que passa eu percebo o quanto a nossa cultura considera pessoas e relacionamentos descartáveis, sexo virou moeda de troca, vejo e escuto experiências de pessoas próximas que me deixam horrorizada, sinto que não posso confiar nas pessoas. Eu converso sobre isso com o meu psicólogo, e por tudo que conversamos ele diz que as minhas atitudes são de alguém que está se preparando pra ir embora a qualquer momento. Minha mãe me abençoou pra ir embora e ser feliz, mas vamos encarar os fatos: crise, pandemia, incertezas... Eu tenho estabilidade agora e trocar tudo isso por uma fantasia é loucura, mas esse sentimento parece que nunca vai embora. Alguém sente isso ou já viveu uma fase assim?
submitted by ohlenak to desabafos [link] [comments]


2020.09.21 23:43 alecks325 Pessoal, sério, juro que não quero usar para fins errados. Somente por eu achar muito interessante como pessoas conseguem encontrar pessoas com tão poucas informações. Alguém conhece algum site grátis que eu possa consultar um nome ou CPF? Mesmo que seja na deep web sla, realmente quero saber.

submitted by alecks325 to TravaZap [link] [comments]


2020.09.21 22:49 resengabr Alguém me ajuda a encontrar esse monstro

Alguém me ajuda a encontrar esse monstro submitted by resengabr to nhaa [link] [comments]


2020.09.21 17:49 Pedrabionica Perdendo a paciência em ajudar

Vou tentar ser o mais sucinto possível, mas é o seguinte: Uma pessoa muito próxima terminou o namoro há 5 meses(iniciativa do parceiro)e desde então tá com depressão,já vai em psicólogo antes disso e começou a ir no psiquiatra pq tava muito mal, tem tomado remédio e tals. Até ai, ok. O problema é que essa pessoa tá até hoje com esperanças do ex voltar, fica perguntando pra mim e pra outros amigos se achamos que isso é possível (e a resposta óbvia é não), além de repetir várias vezes que ainda ama o ex, e continua a stalkear.. No começo tava super compreensível, é uma fase difícil, mas agora tudo que falamos pra ajudar essa pessoa ela não escuta, pois tudo que se fala pra ajudar sempre tem um impedimento ("não tenho tempo" ou "não tenho energia" ou "ainda amo meu ex nada vai adiantar"). O problema é que isso tá ficando super chato, não dá pra achar que ela tá fazendo algo normal, não dá pra concordar com essa estagnação que ela fica... Aahhh. Muito ruim,posso estar sendo um completo babaca por pensar isso mas acho que a pessoa tem que dar o primeiro passo, se não vai ficar pensando nisso a vida toda e vai perder qualquer oportunidade de encontrar alguém
submitted by Pedrabionica to desabafos [link] [comments]


2020.09.21 17:39 LADSNB Professional Indemnity Insurance - Trabalho remoto de Portugal para o UK

Olá,
Tenho uma proposta para trabalhar remotamente (a partir de Portugal) para uma empresa no UK.
Foi-me pedido o seguro mencionado no titulo e sugerido que facilmente o conseguiria online.
Após tentar, percebi que precisaria sempre de ter morada (e telefone) no UK para adquirir tal seguro.
Decidi falar com um consultor da área para tentar perceber se alguma seguradora em Portugal faz este tipo de seguros para trabalho realizado no UK. Infelizmente, recebi hoje más noticias da parte do consultor: não há seguradora em Portugal com produtos disponiveis com cobertura para a quantia que me foi pedida pela empresa do UK (o equivalente, em €, a £1.000.000,00).
Alguém que tenha passado pela mesma dificuldade que eu e que possa ajudar-me a encontrar solução para este problema?
Obrigado!
submitted by LADSNB to portugal [link] [comments]


2020.09.21 15:35 h3n74i À procura de um moral/graffiti

Olá portugueses, eu não sabia onde pedir ajuda para isto sem ser aqui. Eu uma vez passei por um graffiti de Tokyo Ghoul (do Kaneki) algures em Lisboa mas eu não sei onde! Pode parecer um post parvo mas eu quero muito encontrar de novo! Fico muito feliz se alguém me conseguir ajudar, muito obrigada.
submitted by h3n74i to portugal [link] [comments]


2020.09.21 15:09 OverDaddyissues Sou babaca por terminar com a minha namorada com daddy issues?

Olá Luba e as pessoas que estão lendo! Enfim, a história é longa, mas vou tentar resumir. A família da minha ex não aceitava ela, começamos o namoro logo no início do ano, eles descobriram e ela estava proibida de sair de casa.Minha mae era de boa com o nosso namoro. Logo em seguida entramos em quarentena. Ficamos 6 meses sem nos ver, apenas por contato por mensagens e chamadas, o verdadeiro o web namoro. Estar longe dela, me deixava mal, e apesar de tentarmos nos encontrar escondido, não sabíamos quando nos veríamos novamente, isso machucava muito tanto a mim quanto a ela. Então pensar sobre, resolver terminar com ela enquanto a gnt ainda se amava, e não deixar de desgastar até gerar ódio ou rancor. Terminei por mensagem de texto, e decidimos que estava tudo bem, que nada daquilo era justo, e poderíamos ser amigas. Porém os amigos dela não pensaram do mesmo jeito, e fornecer a encher a cabeça dela dizendo que eu não me importava, que terminei pq não a amo e só queria disfarçar o motivo, que eu nunca me esforcei pelo namoro e afins. Ainda por cima achou ruim que ela me contou isso, pois não pode bancar os amiguinhos pra cima de mim agora que eu sei de tudo. Fiquei chateada com o fato de me acusarem de coisas que claramente não são verdades, e minha ex tb ficou, já que os amigos não estavam ali pra apoiá-la, e sim só criticaram alguém que, nas palavras dela, “só fez o bem , e esteve do lado o tempo o todo ”. Depois que terminamos, isso faz 3 semanas, aparentemente como coisas vem dando certo pra ex, se afastando dos amigos que ela entendeu serem tóxicos, os pais parecem estar se preocupando e mudando. E o questionamento que não sai da minha cabeça é: eu fui babaca por terminar com ela por isso?
submitted by OverDaddyissues to TurmaFeira [link] [comments]


2020.09.21 12:59 salveaminhavida Vocês podem ajudar a mim e a minha noiva?

Olá a todos. Essa é uma conta joga fora, pois tenho medo de me expor por agora e estou aqui para pedir uma ajuda a quem puder me ajudar. Eu me chamo Marcelo (nome fictício) e moro em um bairro pobre do interior de SP. Moro aqui desde 2014, quando perdi o meu emprego no interior de MG. Vim para cá ao ficar desempregado, para ficar perto da minha namorada, a única que eu tive na vida (e dei muita sorte em encontrar ela, é uma das pessoas mais especiais que conheço). Tenho 29 anos, 1,80 de altura e peso 200+ kg.
Como você já pode imaginar, o problema com o qual eu preciso de ajuda é esse. Tenho obesidade mórbida grau III e a minha namorada também. Ela é secretária de uma médica e através do seu trabalho conseguiu um grupo de profissionais que estão nos ajudando através de um trabalho voluntário. Eu e ela temos psicóloga (uma diferente para cada), uma endocrinologista e uma nutricionista. Graças ao trabalho dessas pessoas, tivemos grande evolução através de uma reeducação alimentar que tem surtido muito efeito, apesar de infelizmente não ser o suficiente.
Bom, antes dessa pandemia eu estava com um trabalho maravilhoso para uma empresa canadense. Tinha passado no processo seletivo em janeiro desse ano e comecei a trabalhar, até que quase 3 meses depois o projeto foi encerrado devido ao cenário mundial. Durante o tempo em que trabalhei, pude investir pesado na nossa saúde, custeando sempre os exames necessários, fazendo minha reposição hormonal com testosterona (minha produção é extremamente baixa, devido à obesidade), pagando transporte de ida e volta para uma academia de hidroginástica e fazendo hidroginástica. Vejam, antes da pandemia já estávamos sendo acompanhados por essa equipe de profissionais da saúde, mas a reeducação alimentar, além de ainda ter sido por pouco tempo, ou seja, não tínhamos avançado tanto nessa questão, não estava sendo suficiente. Foi quando começamos a fazer hidroginástica que pudemos ver que era possível emagrecer, pois ambos tivemos bons resultados durante esse tempo. Foi a prova que a gente tanto precisou para enxergar que poderíamos recuperar a nossa saúde sem enfrentar uma fila gigante e um procedimento extremamente invasivo.
Aí veio a pandemia, perdi meu trabalho. Meu pai me ajudava com o que podia, minha mãe também. E então dois meses depois, perco o meu pai. Ele era advogado, mas nunca teve dinheiro. Morava de aluguel e apesar de ter muitos processos, a maioria era pro bono, pois o que ele mais gostava de fazer era ajudar o próximo. Com isso, não deixou nada para mim. O que estava difícil ficou ainda mais (mas reconheço que tem muita gente em uma situação financeira pior que eu).
Com tudo isso o nosso tratamento ficou estagnado, até que a nossa nutricionista me deu a ideia de usar meu tempo ocioso para fazer uma hortinha em casa. Então fiz isso e aí vieram mais resultados da reeducação alimentar, pois passei a comer alimentos que nunca gostei (mais uma vitória e mais uma prova de que a gente consegue chegar lá).
Como você talvez possa imaginar, nós não temos indicação médica de fazer o que é simples e acessível, que é caminhada. Na real até tentamos, apesar dos riscos, mas toda vez que a gente tentou eu me acidentei e fiquei com a perna roxa por alguns dias ou semanas. A indicação para o nosso caso é algo que possa nos trazer segurança, como a hidroginástica que estávamos fazendo. Com a pandemia, além de não sair de casa por estar no grupo de risco (minha namorada trabalha presencialmente no consultório da médica, ela está tendo o Uber de ida e volta custeado pela patroa), também não vou conseguir aderir novamente à hidro. Para uma pessoa como eu, já é difícil encontrar força para me deslocar diariamente, mas ainda vivi situações tristes e extremamente constrangedoras por lá.
Aderir à uma atividade física é difícil para mim. Mas há uma que me trás alegria e prazer em fazer e é por isso que resolvi vir aqui pedir ajuda. Antes de vir para Ribeirão Preto, somente um exercício me trazia prazer: andar de bicicleta. Eu pedalava 40 kms, andava sempre sozinho, mas a cidade que morava é pequena e não tão perigosa como aqui. Na real eu adoraria poder ter uma bike novamente e sair andando na cidade, mas andar aqui com uma bike que aguente o nosso peso é o mesmo que sair com uma placa escrito “venha nos assaltar”. Então eu venho aqui pedir uma bicicleta ergométrica que aguente o nosso peso, pois ao contrário do que acontece normalmente quando alguém compra um equipamento desse para usar em casa, onde acaba virando um móvel para roupas usadas, nós vamos conseguir usar diariamente. O meu sonho hoje é poder colocar isso na sala de onde moramos (moramos com os meus sogros, mas eles já deixaram a gente colocar uma na sala, caso possamos ter uma) e gastar umas 2 horas do meu dia pedalando. Sem a dificuldade de estar em público, sem o gasto com transporte, sem os problemas ao enfrentar uma academia, vamos conseguir resultados e vamos conseguir sair dessa.
O uso desse equipamento tem o aval das profissionais que nos ajudam e posso me comprometer a digitalizar um laudo e enviar aos que eventualmente nos ajude. Eu encontrei somente uma única bike ergométrica no Brasil que aguente o nosso peso. Tenho pesquisado há algum tempo e o custo dela é simplesmente algo que nos impossibilita de adquirir. É a Kikos KR 13.6. No entanto eu não me importo se houver de alguma outra marca, a única coisa que eu quero é poder colocar ela na sala e começar a pedalar todo dia.
O que eu proponho é o seguinte: enviar o laudo da médica com a indicação de uso da bicicleta ergométrica, enviar uma carta da equipe de profissionais que nos ajudam de forma voluntária explicando o trabalho delas, enviar os nossos dados pessoas, criar um grupo de Whatsapp com os que puderem ajudar para relatar periodicamente os resultados, fazer um vídeo comprovando o local em que moramos e a nossa condição financeira e doar o equipamento quando não precisarmos mais (ou quando pudermos adquirir um equipamento mais barato que aguente o nosso peso futuramente). Em troca o que eu peço é a ajuda financeira para a aquisição da bike (ou a doação direta de qualquer bike que nos aguente), sigilo e compreensão. Eu tenho muito medo de me expor, já estive próximo do suicídio no ano passado e o meu maior medo é ser exposto e voltar a passar o terror que passei. Essa conta é joga fora justamente por isso. Tenho medo dos usuários de outras subs que lurkam por aqui e sei que já irão usar esse post de forma negativa nessas outras subs.
Eu sei que a situação financeira está difícil para todo mundo e sei que é muito provável que não consiga ninguém que possam nos ajudar com isso. Mas a nossa situação se agrava a cada dia e eu sei que a gente consegue sair dessa com a ajuda de quem puder.
Muito obrigado.
submitted by salveaminhavida to desabafos [link] [comments]


2020.09.21 12:02 Silverwxyz Meu parceiro gringo rico me agrediu fisicamente e me jogou na cara que sou brasileiro prostituto

Quem aí é pobre e gostaria de um príncipe encantado pra te tirar da miséria e viver num castelo… de preferência na Europa com um bom padrão de vida? Pois é, encontrei algo parecido (só que não). Quem procura esse tipo de coisa ou aceita entrar nessa talvez seja bom saber que muitas vezes a vida não é esse conto de fadas.
Resolvi tentar minha sorte na Europa, Itália. Sou professor de inglês formado, sempre fui independente, mas na Europa dificilmente contratam um brasileiro pra dar aulas de inglês. As escolas preferem falantes nativos dos EUA ou Inglaterra. Mesmo se eu tivesse 100 anos de cursos e experiência, nunca vou deixar de ser brasileiro, e a maioria das escolas nem pega o currículo. Minha formação não vale muita coisa na Europa. E o mercado pra dar aulas de português é quase inexistente.
Nisso eu conheci um cara, gostamos um do outro… fui morar com ele. Percebendo minha dificuldade pra encontrar bom trabalho, ganhando pouco, ele propôs pra eu trabalhar menos e voltar a estudar, fazer outra graduação. Detalhes: ele é rico e tem o dobro da minha idade, eu 30 e ele 60. Sim, eu prefiro homens maduros. Aí é que está o problema, aliás, vários problemas: nossa grande diferença de idade, classe social, minha nacionalidade considerada “inferior”, a fama da prostituição dos brasileiros…
Desde o início passei por várias situações desagradáveis… Alguns amigos dele me perguntaram na cara mesmo se sou prostituto brasileiro e se não estaria com ele por causa do dinheiro. Ele brigou com esses amigos por causa disso.
São muitos desafios manter uma relação assim. Já é difícil pelo fato de sermos dois homens, e com grande diferença de idade! Se ao menos ele tivesse uns 10 anos a menos, seria mais fácil eu apresentar pra minha família... Minha mãe jamais aceitaria eu estar com um homem mais velho que ela.
Algumas vezes tentei terminar a relação. Já estive prestes a sair de casa, ele não deixou e disse: “Termine seus estudos, eu gostaria muito de dar isso pra vc. Depois você vai embora e encontra alguém mais jovem que eu”. Na verdade desde os primeiros dias que nos conhecemos ele sempre tentou me comprar, com luxos, viagens, e já no início da nossa relação disse que não tem herdeiros e procura alguém mais jovem como eu pra deixar tudo. Várias vezes ele me pede pra gente ir assinar os papéis do casamento e herdarei tudo. Ele diz exatamente isso! Aliás, ele já disse que fez o testamento dele declarando que sou o herdeiro.
Eu e ele sempre fomos bons amigos, tivemos uma conexão forte, sem problemas na relação, algumas briguinhas cotidianas, nada de mais…
Um ponto negativo é que ele é abertamente racista. Costuma fazer comentários contra negros, e sempre que ele tem oportunidade ele faz piada com o fato de eu ser brasileiro, diz que venho da selva, de um país perigoso, subdesenvolvido, que faço vodu, macumba… Antes ele era casado com uma moça da Guiana e depois teve um namorado da Venezuela. Ele culpa a origem latino-americana dos ex-parceiros pelo temperamento difícil e comportamento “primitivo”. Ele gosta de pessoas mais jovens. Como seria numericamente mais difícil ele conseguir um jovem europeu que queira morar com um velho, ele tem o histórico de pegar jovens desfavorecidos do “terceiro mundo” pra ajudar a trabalhar e estudar, todos os relacionamentos dele foram assim. Ou seja, ele mostra toda sua riqueza, tenta impressionar, e depois teme que está sendo usado, comprando alguém, e nos conflitos acaba sendo racista e usando o poder financeiro pra dominar e inferiorizar.
Se eu não respeito alguma “etiqueta” ele diz: VC VEIO DA SELVA MAS AGORA ESTÁ NA EUROPA, PRECISA SABER SE COMPORTAR. Na verdade eu não me sentia ofendido, ele é alemão e eu apenas retrucava falando coisas negativas de alemães. Eram piadas de mal gosto que fazíamos um contra o outro… E como resposta eu beliscava os mamilos dele, ele odeia quando faço isso. Já era um costume nosso.
Mas essa simples besteira desencadeou um conflito. Há dois dias estávamos na rua, eu tremendo de frio, e ele fez piada: VOCÊ É UM ANIMAL DA SELVA MESMO. NÃO ESTÁ FRIO. Em resposta, belisquei o mamilo dele, e desta vez ele teve um ataque de fúria. Ele apertou meu braço com bastante força, arranhou, tirou sangue. Ele nunca tinha me atacado dessa forma. Fiquei bastante chateado e passei o resto do dia sem conversar com ele. No final do dia, mostrei pra ele os hematomas, isso não se faz. Começamos a brigar e daí ele já abriu a porteira, falou várias coisas racistas, e por fim disse que sou um prostituto. Estávamos prestes a nos atacar fisicamente, ele veio pra cima de mim pra me dar socos. Eu empurrei, fiz posição de defesa e disse: EU SOU MAIS FORTE QUE VOCÊ. SE VOCÊ OUSAR, EU QUEBRO SUA CARA E TIRO SANGUE DE VERDADE. Ele recuou, sentou-se na cama e ficou acuado ofegante, tremendo, vermelho.
Estamos juntos há 4 anos, sempre tivemos uma relação pacífica, sem grandes dramas, nada parecido com isso tinha acontecido entre nós, foi bastante extremo. Estamos sem conversar há 2 dias na mesma casa, desviando um do outro, está insuportável. Eu já fiz dois anos de curso, precisaria de mais um ou dois anos pra terminar. Na Itália é quase impossível trabalhar, se sustentar e estudar ao mesmo tempo, as aulas são em período integral, precisa de dedicação quase exclusiva.
O que vocês fariam?
Tentariam engolir tudo isso, tentar fazer as pazes e procurar terminar o curso, ter um sonhado diploma europeu. Ou desistir de tudo... achar qualquer emprego, qualquer lugar pra morar... Ou voltar pro Brasil nesse período de crise, sem dinheiro e sem muita perspectiva?
Enfim, pra quem leu até aqui fica a lição: tentem ser independentes, donos dos seus próprios narizes e liberdade. O risco de depender de alguém é sempre alto... mais cedo ou mais tarde podem jogar isso na sua cara.
...
Resumo: moro na Europa com um homem rico e mais velho que me deu oportunidade de estudar. Tivemos um atrito bobo que desencadeou um conflito, ele é racista, me chamou de prostituto brasileiro. Já fiz metade do curso. Não sei se engulo e tento terminar os estudos ou se desisto de tudo.
submitted by Silverwxyz to desabafos [link] [comments]


2020.09.21 02:13 Lost-Dimension-149 nunca beijei ninguém

talvez isso pareça um desabafo bobo, mas preciso exterioriza-lo. tenho 18 anos e nunca beijei ninguém, moro em cidade pequena, então sempre recusei pedidos de garotos que queriam ficar comigo por medo dos comentários que fariam sobre eu não saber beijar ou algo do tipo. quando eu crio proximidade com alguém eu sempre minto que já beijei pra pessoa não me achar estranha ou perder o interesse, mas isso resulta em um medo absurdo de me encontrar com a pessoa, então eu sempre me desfaço dos laços que crio antes de vê-la pessoalmente. eu realmente gostaria de conhecer alguém com quem eu pudesse contar isso sem ser julgada e a pessoa continuasse interessada em mim, o que geralmente não acontece depois de eu contar. enfim, só isso.
submitted by Lost-Dimension-149 to desabafos [link] [comments]


2020.09.20 22:41 lpbms11 alguém me ajuda a encontrar um video?

São 2 miudos um deles está a filmar e está a dizer ao outro para não ter medo de saltar e o outro salta e parte-se todo.
submitted by lpbms11 to portugal [link] [comments]


2020.09.20 20:29 Megelos Dicas para um trabalho em relação a defesa a contra o aborto.

Dicas para um trabalho em relação a defesa a contra o aborto.
Haverá uma discussão com um lado da turma defendendo Maria e outro João, a defesa de João seria fácil se não fosse a lei hipotética estabelecida (111.111/20). Portanto, venho aqui perguntar se alguém aqui não possui uma dica para pesquisar processos legais (para eu encontrar um parecido e ver os argumentos usados) ou caso tenham dicas ou até mesmo argumentos viávies na defesa de João. Pensei em alguns e até escutei alguns debates já que essa lei hipotética torna a legalidade da discussão até um pouco trivial, mas pelo menos até agora não estou 100% investido no curso ainda e estou estudando coisas que curto mais, só espero que compreendam, obrigado!
EDIT: Não esclareci, mas estou procurando alguma fonte que estabeleça a autoridade de uma das partes do relacionamento de possivelmente demandar o nascimento. Por fonte de caso que realmente tenha acontecido ou por alguma lei que eu provavelmente não conheça.

https://preview.redd.it/4fznyrmdico51.png?width=715&format=png&auto=webp&s=f76fe20217f33f47117e4edceeac4d6e735fba1c
submitted by Megelos to direito [link] [comments]


2020.09.20 17:32 randyracoon Sabem se o Palácio de Sintra está aberto?

Vou a Lisboa daqui a duas semanas e adoraria ir a Sintra mas não sei se o palácio e o castelo estão abertos e não consigo encontrar informação! Alguém já foi lá? Muito obrigada!
submitted by randyracoon to lisboa [link] [comments]


2020.09.20 14:53 UninformedImmigrant U wot m8? Estórias de um gajo que se mudou para o UK [Capítulo 1: Mudanças e chegadas]

Olá amigos. No post anterior introduzi levemente o espírito desta série, e este é o primeiro capítulo "a sério" da série. Este capítulo versa sobre o processo de preparação para a mudança e o "primeiro embate" da chegada ao novo país; que assuntos tive que tratar imediatamente antes de me mudar, assim como assim que cheguei. Como tenho dito, esta experiência é pessoal, e é importante que entendam que não se aplicará certamente a todos. Riam-se, chorem, e deixem os vossos pensamentos na caixinha em baixo.
Ao longo do texto vão ver uns números entre parênteses rectos ([XXXX]). Isto são referências que estão por extenso perto do fim do post, na secção apropriadamente denominada "Referências".

Take-Aways Principais

Eu gosto de ter uns bullet points com as ideias principais que se devem reter de cada capítulo, uma espécie de "se não leres mais nada, lê isto" do capítulo. Os deste capítulo rezam assim:
Os detalhes estão no texto por aí abaixo.

A odisseia do trabalho científico em Portugal

Já alguma vez tiveram aquele sonho em que querem gritar e não conseguem? Aquela sensação quase infantil de impotência, do pavor da inacção e do pasmo em relação ao que quer que seja que se está a desenrolar à nossa frente? Ou aquele em que querem esmurrar alguém mas não acontece nada? A sensação de impotência é, pessoalmente, das piores que podemos ter; a de querermos fazer alguma coisa, acharmos que sabemos o que fazer e não conseguirmos.
Trabalhar no tecido académico e de micro-empresas português (vulgo technology transfer) é um bocadinho assim. Por mais que um gajo se esforce, é muito difícil escapar à subsidio-dependência, à chico-espertice, à mediocridade, à inexperiência, à falta de processo e, acima de tudo, à falta de recursos. Por bom que seja o sonho, por interessante que seja o projecto, por positivo que seja o ambiente de trabalho, por porreiros que sejam os colegas, há uma sensação latente de "isto não vai dar para construir uma carreira". Isto torna-se particularmente agudo quando se trabalha numa área de tecnologia de ponta, para a qual inevitavelmente o mercado português está pouco desenvolvido. Não havendo mercado, a empresa vira papa-projectos e passa a viver de fundos comunitários, QRENs, COMPETEs, H2020s e coisas que tal. O tempo que se devia gastar em desenvolvimento é gasto a tentar convencer revisores de projectos a darem-nos mais uma esmola, e todos os projectos são uma corrida ao fundo: como é que conseguimos fazer esta omelete bonita com muito poucos ovos? Será que precisamos mesmo de duas pessoas para fazer isto, não dará só uma? Certamente o equipamento X também dá para este projecto.
Um aspecto particularmente doloroso neste ambiente é a altíssima rotatividade dos colegas. Quando se trabalha nestas condições tende-se a depender de recursos precários: bolseiros de investigação, estágios IEFP, estágios profissionais, estágios académicos, e por aí fora. Isto torna imediatamente impossível treinar alguém para fazer alguma coisa de jeito, e dei por mim a ensinar 3 ou 4 pessoas a fazer a mesma coisa em ocasiões diferentes ao longo dos anos. Nunca ninguém fica e toda a gente parte para outra, seja porque a empresa não lhes pode pagar, ou porque são incompetentes demais para nos darmos ao trabalho de lhes tentar arranjar financiamento. As caras e os nomes confundem-se numa espécie de groundhog day tecnológico em que cada ano que passa temos as mesmas conversas. Um tipo que vá ficando, ora porque é bom ou porque é teimoso, vai dando por si a avançar na idade ao mesmo tempo que os colegas não. A certo ponto, todos os meus colegas eram pelo menos uns 4 ou 5 anos mais novos que eu; ora se até eu quase nem tinha barba (hipérbole), então eles estavam mais verdes que as bananas da Costa Rica quando chegam ao Continente.
Quando me perguntam porque é que os portugueses têm tendência a se dar bem lá fora, aponto-os sempre para as condições em que somos habituados a fazer trabalho world-class. As publicações a que submetemos artigos não querem saber das nossas dificuldades; querem papers de qualidade. As agências de financiamento não querem saber de rotatividade, querem saber de know-how, track record e orçamentos. O trabalho que temos que entregar para sobreviver tem que ser de topo, ao mesmo tempo que as condições são de fundo. Pega-se num tipo habituado a isto, senta-lo numa cadeira de 300€, dá-se-lhe 3 monitores e um portátil que dava para comprar um carro, e é natural que o desempenho seja incrível.
Eu não me considero um perfeccionista (e acho que quem se considera perfeccionista pensa demais de si próprio) mas procuro estar numa constante curva ascendente no que toca à qualidade do meu trabalho. Umas vezes a curva é mais inclinada, outras vezes é menos inclinada, mas a cada dia estar um bocadinho melhor que no dia anterior. Aliás, quem me conhece sabe que esse é um traço que aplico em quase tudo: no trabalho, na vida, no desporto, etc. Antes de me mudar sentia que tinha batido no tecto da qualidade do que podia entregar. O meu esforço era máximo e o factor limitador da qualidade da entrega era a forma como o trabalho que eu tinha para fazer era entregue. Não havia tempo suficiente para inovação, era preciso planear de forma irrealista (e entregar de forma irrealista) para se conseguir fazer o malabarismo de todos os projectos. A constante mudança de contexto comia horas todos os dias.
A ética de trabalho portuguesa é, geralmente, horrível. Se eu trabalhei as minhas 8h, entreguei o que tinha para entregar e não tenho horário de trabalho, então vou sair às 16h. Ou chegar às 10h. Geralmente, fazer menos que 9-19 é mal visto, e eu fui sempre muito vocal (se calhar de forma prejudicial para mim próprio) acerca do quão estúpido isso me parece. Cheguei a ouvir algo semelhante a "tu és daqueles gajos que vão de férias desaparecem do mapa". Não é esse o objectivo das férias?

Um dia destes decidi mudar-me para o UK

Então um dia desatei a mandar CVs por esse mundo fora, a ver o que colava. Inevitavelmente, apareceram-me várias ofertas interessantes, a melhor das quais no UK. Contas feitas, a oferta praticamente multiplicou o meu salário bruto por 5 (talvez um bocadinho mais), empurrando-me de um salário mediano em Portugal para um salário bastante acima da média no UK. Esta é daquelas particularidades a que me refiro quando digo que a minha experiência é extremamente pessoal: eu tive a sorte de gostar e ter talento para trabalhar nesta área, e a dupla sorte de ser uma área em que simultaneamente há muita oferta e pouca procura de trabalho. Meio ao calhas cultivei um skillset muito valioso, ou que consegui vender bem. Infelizmente, para manter esta conta dissociada da minha identidade não vos posso especificar qual é; somos poucos, tornava-se muito fácil encontrar-me pelas publicações.
Curiosamente, está agora (à data da escrita) a fazer um ano que me decidi mudar. Nessa altura, a maior preocupação de quem se mudava para o UK era o Brexit, mas houve uma série de factores que me acalmaram:
Acerca deste último: ser estrangeiro no UK ou ser em qualquer outra parte é, para mim, semelhante. Então, se o Brexit por alguma razão resultasse numa perseguição aos estrangeiros, ou numa forte desvalorização da libra, etc, a minha situação ainda assim seria melhor que antes. Teria um CV mais rico, experiência adicional na indústria, e dinheiro no banco, tudo factores que facilitariam a mudança para um país terceiro.
Portanto com os factores políticos resolvidos por ora, e com a família a apoiar, lá me decidi.
Lá vim eu.

Preparação

A preparação para a mudança dividiu-se em:
Para benefício máximo meu e das duas empresas envolvidas, decidi reservar apenas umas 3 semanas sem trabalhar para tratar de tudo. Arrependi-me profundamente: devia ter fodido uma das empresas (a velha, potencialmente) e tido mais tempo para mim e para os meus. Naturalmente, houve muito que pude fazer enquanto trabalhava, como tratar da documentação. A logística foi um pesadelo; tive que esvaziar o apartamento em 2 dias e encontrar forma de arrumar tudo o que tinha na minha casa de família. Uma boa parte ficou por fazer pois queria passar tempo com a família em vez de arrumar merda. Tive que denunciar o contrato de arrendamento, da energia, da água e das telecomunicações. Obviamente, a Vodafone foi a mais merdosa no meio disto tudo, primeiro porque queriam que pagasse a fidelização (tive que demonstrar que vinha para o estrangeiro), e depois porque queriam cobrar o equipamento apesar de o ter entregue a horas e em boas condições. Típica escumalhice de telecom portuguesa, nada de novo.
A preparação legal foi mais cuidada. Para referência, a documentação que preparei foi:
Também nomeei (por procuração) um representante legal em Portugal. Inicialmente pareceu-me overkill, e apenas o recomendaria se tiverem alguém que seja de muita, muita confiança. Mas para mim tem sido muito útil, pois essa pessoa pode-me substituir em qualquer todos os compromissos, requerer a emissão de documentação em meu nome, transaccionar os meus bens (tipo vender o carro velho) e negociar em meu nome com as telecoms quando se armam em parvas (ver Vodafone acima). A pessoa que ficou com esta responsabilidade é da minha absoluta confiança, mas mesmo assim é um compromisso que deve ser mantido debaixo de olho e apenas pelo tempo necessário.
Às tantas perguntei-me "sua besta, já pensaste em quanto dinheiro vais gastar?" Bom, através de uma combinação de salário baixo e escolhas financeiras pouco saudáveis (que reconheço mas não quero detalhar), as minhas poupanças resumiam-se a uns míseros 2000€. Amigos, 2000€ não é dinheiro nenhum. Precisava de mais. Pelas minhas contas, e porque não vinha sozinho, precisaria de cerca de 15000€ para fazer isto com algum descanso, ainda que não conforto.
Lembram-se de quando tivemos uma crise "once in a lifetime" em 2008? Aquela da qual vamos ter saudades agora em 2021? Essa mesmo. Uma consequência engraçada dessa crise foi que as pessoas se habituaram a fazer crédito ao consumo, e os bancos habituaram-se a emprestar dinheiro como quem dá cá aquela palha, já que o Estado depois os resgata e ninguém vai preso. Como sempre trabalhei, paguei os meus impostos e nunca tive dívidas, pude pedir um crédito pessoal para pagar a mudança inicial. 15k no banco, check.
Obviamente não o gastei todo, e a empresa para onde fui trabalhar devolveu-me uma esmagadora parte do que gastei através de um fundo de "relocation expenses". A empresa pagou (mas eu tive que adiantar):
Em cima disso, paguei eu:
Admito que fiz algumas escolhas controversas, e houve muito dinheiro perdido em conversão de moeda. Podia ter ficado fora da cidade enquanto procurava apartamento, podia ter comprado mobília mais barata, podia ter dormido no chão, podia ter comprado malas mais baratas, podia ter andado de comboio em vez de alugar carros quando precisei. Mudei-me de uma forma que considero "medianamente confortável": não o fiz luxuosamente, mas dei-me ao luxo de trazer a Maria, de não ter que partilhar casa e de evitar largamente transportes públicos. Com o dinheiro que a empresa me devolveu constituí um fundo de emergência. Não liquidei logo a dívida porque entendo que é mais importante ter um fundo de emergência do que estar debt-free (mais sobre isso daqui a um post ou dois).
São escolhas. Emigrar é caro, amigos. Conheço quem o tenha feito com 200€ no bolso, mas não é confortável e não quero isso para mim.
Praticamente foi tudo pago através do Revolut. Criei uma conta pouco antes de vir, comprei o premium para não ter limites de conversões, e usei. Inclusivamente recebi lá o primeiro salário enquanto não criei a conta no banco.
A preparação emocional foi a menos complicada. O meu núcleo duro é relativamente pequeno, e toda a gente estava preparada há muito tempo para que eu "fugisse"; era conhecido praticamente desde que tinha começado o PhD que a minha área não era viável em Portugal, e que estava revoltado com a ética de trabalho merdosa. Naturalmente a minha mãe não gostou da ideia, mas são coisas da vida. Ainda assim, um conselho: não se armem em fortes e não descuidem a preparação psicológica/emocional que é necessária para este tipo de viagem. Eu sei que pessoas diferentes têm níveis de resiliência diferentes, mas o português tem muito a mania de achar que é o maior; cuidado com isso. Além disso, não deixem que estas preparações vos tomem todo o tempo que têm; guardem tempo para estar com a família, para lazer, e para descansar. Eu deixei-me consumir um pouco e não foi bom.

Como não ser sem-abrigo

Aterrei em meados de Setembro num dia nublado com duas malas de 30kg, uma mochila para mim e outra para a Maria, e a convicta certeza de que me estava a foder. Tinha cerca de 2.5 semanas até começar a trabalhar, e até lá a missão era só uma: encontrar um apartamento. Há muito para dizer acerca da habitação no UK, vou escrever um post só para isso e por isso aqui vou focar apenas na experiência do recém-chegado.
Eu decidi que não estava disposto a arrendar pelo privado; iria sempre através de uma agência imobiliária. Como não tinha tanta familiaridade com o mercado nem com a legislação, achei que seria mais seguro ir por essa via mais cara e minimizar a possibilidade de ser ludibriado. Recomendo vivamente. Então comecei a encetar contactos por telefone para marcar visitas a apartamentos.
E aí bateu-me.
Eu não conseguia perceber nada do que estes caralhos diziam ao telefone. NADA. "Ahka hrask apfiasdafsd duja sudn" diziam eles, e eu "sorry, I have a really bad connection, could you repeat that?" e eles lá repetiam mais calmamente "G'mornin, how can I help you today?". Muita vez disse eu que tinha pouca rede, a ver se eles abrandavam um bocadinho. E funciona! Top tip: se estiverem a tentar perceber o que eles dizem por telefone, queixem-se da ligação; o serviço móvel no UK é tão mau que eles vão na conversa.
Agora, eu sei falar inglês, ok? Naveguei perfeitamente bem as entrevistas, tenho dúzias de publicações em inglês "impecável", e trabalho em inglês há anos e anos. O problema é o seguinte: falar inglês enquanto se trabalha e escrever coisas em inglês são ambos experiências muito diferentes da de tentar falar com um nativo com sotaque, que assume maneirismos e expressões que não conhecemos, sobre locais que não conhecemos e dentro de um sistema (de arrendamento) que não conhecemos, tudo isto por telefone e sem poder ler nos lábios nem ler expressões corporais.
Com algum desenrascanço tipicamente português fui enchendo os dias de visitas a apartamentos na zona. Num dos dias aluguei um carro para ir ver apartamentos numa cidade vizinha (onde até acabei por ficar), algo que recomendo vivamente. Durante essas semanas vimos facilmente uns 25 apartamentos, talvez mais. As primeiras impressões foram:
(Um aparte acerca da alcatifa: se tiverem uma casa toda alcatifada comprem um robot aspirador de qualidade e aspirem todos os dias, até mais do que uma vez. A vossa qualidade de vida vai aumentar 1000 vezes.)
Escolhido o apartamento, fizemos uma oferta/candidatura. Oferecemos o valor que o senhorio pedia e, já tendo falado com muitos agentes, ofereci-me para pagar o contrato inteiro de 6 meses no dia da entrada. O que se seguiu foi um processo que, para mim, era completamente estrangeiro: o de "referencing" do potencial arrendatário. Pediram-me as moradas anteriores até 3 anos e os contactos dos senhorios, assim como a minha morada de família permanente e (muitos) dados pessoais. Essa informação foi usada para verificar que eu não era um impostor, e para verificar que tinha o hábito de pagar a renda. Ligaram para a minha antiga senhoria portuguesa, uma senhora de 82 anos, a perguntar se eu pagava a renda. Por mero acaso ela fala inglês (foi investigadora) e soube-lhes dar resposta, mas achei a atitude absolutamente desnecessária. Lembro-me de me sentir ofendido; "mas estes filhos da puta acham que pagar 6 meses à cabeça não chega?"
Seguiu-se um contrato de arrendamento para uma Assured Shorthold Tenancy [1], que é a modalidade "normal" de arrendamento para habitação por aqui. O agente imobiliário tratou de toda a papelada, mas eu tirei um dia para ler todo o contrato e verificar se batia certo com o que conhecia da lei daqui, o que recomendo vivamente. Atenção que a partir de meados de 2019 as taxas cobradas pelos agentes imobiliários passaram a ser limitadas por lei [2], por isso se vos pedirem alguma taxa administrativa mandem-nos sugar no pénis mais próximo. Na altura disseram-me que o normal, antes dessa mudança, seria o arrendatário pagar uma taxa de 700 libras à imobiliária pelo serviço. Era matá-los.
Assinado o contrato, ficou fixada uma data para entrada no apartamento. O valor a pagar é esperado nesta altura, no momento imediatamente precedente à entrega das chaves, o que significa que é preciso ter esse dinheiro disponível num cartão aceite pela imobiliária. Obviamente que é possível pagar por transferência, mas isso pode atrasar a data de entrada, e eu estava a pagar hotel por isso tinha interesse em me despachar.
Este processo foi, para mim, extremamente stressante. Até ao momento em que temos a chave na mão, o nível de incerteza é altíssimo: vou precisar de estender a estadia no hotel? Vou ter dinheiro que chegue caso o senhorio recuse o arrendamento? Será que vou ter que procurar noutra zona? Será que vou conseguir fazer isso enquanto trabalho? Para mim, encontrar a primeira casa foi facilmente a parte enervante da mudança. Agora já tenho uma posição muito mais sólida: conheço a zona, conheço o mercado, tenho um pé de meia e transporte próprio. O início custa muito mais.

Burocracias adicionais a tratar no início

Além da casa, que era a minha primeira preocupação, há um outro conjunto de coisas que têm que ser tratadas quanto antes:

Referências

[1] https://england.shelter.org.uk/housing_advice/private_renting/assured_shorthold_tenancies_with_private_landlords [2] https://www.gov.uk/government/collections/tenant-fees-act [3] https://www.gov.uk/council-tax [4] https://www.gov.uk/tax-codes [5] https://www.gov.uk/income-tax/how-you-pay-income-tax

Capítulos Anteriores

O próximo capítulo deve ser mais sobre habitação ou sobre compramanter carro e conduzir. Depende de qual o capítulo que acabar por ficar pronto mais cedo. Às tantas calha ser outro qualquer ¯\_(ツ)_/¯
Se este post gerar uma resposta tão forte como os outros, é possível que eu não consiga responder a todos os comments. Se for esse o caso, peço desculpa; vou dar o meu melhor.
No outro post alguém (um mod?) colocou o flair "Conteúdo Original". Não encontrei esse por isso pus "discussão".
Abraços, e obrigado por virem à minha TED talk.
submitted by UninformedImmigrant to portugal [link] [comments]


JOTA QUEST /// Encontrar alguém (Bass cover) - YouTube Anabela - Encontrar Alguém / Got to be Real (Cover) - YouTube Jota Quest - Encontrar Alguém (Pseudo Video) (Live Version) Jota Quest - Encontrar Alguém - YouTube Encontrar Alguém - Jota Quest - YouTube Jota Quest - Encontrar Alguém (Acústico) - YouTube Jota Quest - Encontrar Alguém - YouTube Jota Quest -- Encontrar Alguém - Clipe Oficial COVER & TAB: Encontrar Alguém (Guitarra Cover com ...

  1. JOTA QUEST /// Encontrar alguém (Bass cover) - YouTube
  2. Anabela - Encontrar Alguém / Got to be Real (Cover) - YouTube
  3. Jota Quest - Encontrar Alguém (Pseudo Video) (Live Version)
  4. Jota Quest - Encontrar Alguém - YouTube
  5. Encontrar Alguém - Jota Quest - YouTube
  6. Jota Quest - Encontrar Alguém (Acústico) - YouTube
  7. Jota Quest - Encontrar Alguém - YouTube
  8. Jota Quest -- Encontrar Alguém - Clipe Oficial
  9. COVER & TAB: Encontrar Alguém (Guitarra Cover com ...

Bora dançar? Mexe a cadeira aí! Quebra tudo... E a Aninha? Não vai voltar? Cover com tablatura de guitarra completa de 'Encontrar Alguém' da banda Jota Quest. CONTEÚDOS EXCLUSIVOS: Obtenha acesso à essa e outras tabs, videoaulas, ba... Vídeo Oficial de 'Encontrar Alguém' de Jota Quest. Ouça via streaming em 'Músicas Para Cantar Junto': https://SMB.lnk.to/MPCJV Siga Jota Quest nas redes soci... Jota Quest: https://itunes.apple.com/br/album/jota-quest/id372552411 Encontrar Alguém: https://itunes.apple.com/br/album/encontrar-alguem/id372552411?i=37255... Song Encontrar Alguém; Artist Jota Quest; Licensed to YouTube by SME (on behalf of Sony BMG Music Entertainment); Sony ATV Publishing, LatinAutor, ASCAP, SOLAR Music Rights Management, CMRRA ... Music video by Jota Quest performing Encontrar Alguém. (C) 2014 Sony Music Entertainment Brasil ltda. Programa 'Música Brasileira' com João Marcello Bôscoli. Uma das linhas de baixo mais fodas da música brasileira, tenho quase certeza Venha me ver tocando baixo ao vivo na https://www.twitch.tv/fredfp !!! 50+ videos Play all Mix - Jota Quest -- Encontrar Alguém - Clipe Oficial YouTube PINK FLOYD: Delicate Sound Of Thunder (expanded new edition) - Duration: 1:54:26. CMI MUSIC Recommended for you